695371da-a03b-4831-aba4-69aa96faeefb.JPG

Compilei aqui o que de mais relevante realizei profissionalmente ao longo de 30 anos. É útil como portefólio, serve para os curiosos e também para me recordar dos que conheci na sua demanda por justiça. Muitos não obtiveram desfechos favoráveis, mas a sua história ficou registada. À medida que for tendo tempo, colocarei os processos judiciais de cada caso, de modo a que estudantes universitários possam ter um acesso facilitado à “law in action”, matéria-prima que raramente lhes é facultada.

Cartão Expresso.jpeg
Imprensa.jpeg
Captura de ecrã 2021-10-12, às 11.30.02.png

1986

ficha arquivo Expresso.JPG

Expresso

Telefone.tiff
still01_00079370.jpg

Comecei no semanário Expresso (1986), num trabalho de verão, arranjado por uma amiga da minha mãe. Deram-me uma pilha de revistas estrangeiras para recortar fotografias de artistas e escritores, colá-las em fichas de cartolina, escrever os nomes e colocá-las, alfabeticamente, dentro das caixas metálicas do arquivo do jornal. No final desse verão, perguntaram-me se quereria experimentar escrever alguma coisa. Era assim que tantas vezes se começava no jornalismo.

1987

2020

1990

Miami Herald

Foto.tiff
Página jornal.jpg

Em 1991, com uma bolsa da Fundação Luso-Americana, estagiei 3 meses no gigante Miami Herald. Aprendi alguma coisa, acabei por publicar um artigo (South Florida: see it like a Portugueses Journalist) e trouxe um código de conduta que é um exemplo de clareza. Outros códigos de conduta que guardei: o da ANOP, o do Economist e o da Globo.

SIC

1992

SIC_1992.tiff
Pe.Frederico_1993.tiff

Com um grupo de jornalista igualmente oriundos do Expresso (Paulo Camacho, Luís Marques, Ricardo Costa e Reinaldo Serrano), integrei, em 1992, a recém-criada SIC-TV, onde me especializei em jornalismo judiciário, beneficiando da vantagem de ser licenciada em Direito.

Na altura, lançaram-se programas de investigação marcantes, como Trial and Error, apresentado por David Jessel, que, mais tarde, se tornaria activista contra os erros judiciários. Já nos EUA, a criação da Court TV e o caso O.J.Simpson pontuaram uma nova era na cobertura noticiosa dos casos criminais. Pragmática, a análise de L.Shapiro (um dos advogados de O.J.Simpson) sobre a melhor forma de se lidar com a imprensa:  Secrets of a Celebrity Lawyer.

Nessa época, em Portugal, foi o julgamento do Padre Frederico, acusado de homossexualidade e homicídio, que atraiu atenções. Seguiram anos de tensão entre a imprensa e os tribunais. A justiça ficou mais transparente, mas, por outro lado, tornou-se mais permeável à opinião pública (ver artigo "Os cúmplices da justiça").

AFFAIRE PINTO COELHO c. PORTUGAL (No 1)

2011

Captura de ecrã 2021-09-22, às 10.16.24.png

Nem sempre a linha que divide o direito à informação da que protege o bom nome, a imagem e a privacidade é fácil de traçar. Fui condenada, duas vezes, por abuso de liberdade de imprensa. Porém, recorri ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos que me deu razão, tendo condenado o Estado português por violação do direito à informação.

AFFAIRE PINTO COELHO c. PORTUGAL (No 2)

2016

Captura de ecrã 2021-09-22, às 10.12.26.png